top of page

Mas é claro que Eliud Kipchoge pode bater o recorde mundial da Maratona em Boston...

Eu sei que muita gente têm dito por aí que o queniano Eliud Kipchoge não pode bater o recorde mundial na prova em Massachusetts, EUA. Poder bater, pode. Agora, se vai valer, já são outros quinhentos.



Em 2011 dois quenianos disputavam palmo a palmo a liderança da Maratona de Boston em seus quilômetros finais. Eram eles, Geoffrey Mutai e Moses Mosop. Mutai, mais experiente. acabou se impondo no final e venceu a prova em duas horas três minutos e dois segundos com Mosop chegando quatro segundos depois.


Assistíamos a prova eu e o editor da revista Contra-Relógio, em sua casa, na Vila Madalena, São Paulo, e vimos o treinador Marcos Paulo Reis, que comentava a maratona ficar mudo com o resultado. Até porque por volta do km 30 ele havia dito que Boston não era prova para se bater o recorde mundial. E na verdade, ele não estava errado não. O recorde da prova até então era 2:05:52 do queniano Robert Cheruyiot, tricampeão em Boston. O problema é que os 2:03:02 registrados por Mutai, baixaram em quase 3 minutos o recorde da prova e em quase um minuto o recorde mundial da maratona, que na época pertencia ao etíope Haile Gebresselassie - 2:03:59, em Berlim 2008.


Mutai, na verdade, bateu mas não levou. O que acontece é que há regras da World Athletics para a homogação de recordes em corridas de rua e Boston fere duas delas, então, o queniano não pôde ficar com o título de recordista

Uma das regras é que a largada e chegada de uma prova não pode ter uma distancia maior que 50% entre elas. A Maratona de Boston é o tipo de prova que chamamos de ponto a ponto. Ela larga de uma cidade, Hopkinton e chega em outra, no caso, Boston. Isso é usado exatamente para evitar situações como a que ocorreu naquele ano, em que teve um vento forte a favor dos atletas na parte final, que pode ter ajudado no resultado final da prova.


A segunda é que a diferença de altimetria não pode ser maior que um metro por quilômetro. No caso da maratona, não pode haver uma diferença maior que 42 metros. A prova tem a largada 149 metros acima no nível do mar e a chegada está a 3. Acho que essa se auto-explica, né? Uma regra para evitar que organizadores façam provas em percursos com grandes declives para bater marcas.


Então como ficou sendo considerada a marca do Mutai, já que ele não pôde ser considerada recorde mundial? Permaneceu como recorde da prova, já que a regra da World Athletics só se aplica a recordes e ficou sendo considerada a melhor marca mundial de maratona. Então nós, que trabalhamos há anos com corrida, tinhamos sempre que levar em consideração dois resultados quando falávamos da maratona masculina - o recorde mundial e a melhor marca mundial. Quem nos ajudou a acabar com essa história e o asterisco nos recordes mundiais foi a vitória do queniano Dennis Kimetto em Berlim, três anos depois, com 2:02:57, marca que só veio a ser batida 2018, adivinha por quem?


Então é isso. Eliud Kipchoge pode sim, bater o recorde mundial na Maratona de Boston, que pertence a ele mesmo. Só não vai ser homologado. Simples. O único detalhe é que ele disse que tentará bater a marca de Mutai e isso, eu gostaria muito de ver acontecer, afinal de contas, estamos falando de um recorde que já dura 12 anos.

 
POST RELACIONADO



568 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page